30/12/2012 12:21 0

Postado em 29 de outubro de 2012

Doença de pele exige medidas especiais na depilação, no banho e até para tomar sol
As lesões costumam aparecer após episódios emocionalmente traumáticos, mas, ainda assim, a verdadeira causa da psoríase é desconhecida. Até agora, os especialistas conseguiram descobrir que esta é uma doença de pele caracterizada por placas escamosas e avermelhadas, sem coceira – a principal diferença em relação ao eczema, problema de aparência semelhante. De acordo com a dermatologista Renata Ferreira Magalhães, médica assistente da disciplina de dermatologia da UNICAMP, estima-se que cerca de 3% da população mundial sofra do problema.
O diagnóstico costuma assustar, já que a psoríase não tem cura, mas ela não é contagiosa e pode ser controlada para que o paciente tenha uma vida completamente normal. Por isso, em 29 de outubro, Dia Mundial da Psoríase, o Minha Vida elaborou uma lista com hábitos que ajudam a evitar crises da doença.
Hidratação
Pessoas com psoríase devem usar hidratantes corporais várias vezes ao dia, principalmente nas áreas onde costumam aparecer as lesões. “Prefira aqueles que não tenham muito perfume e cor, pois são menos propensos a desencadear uma alergia”, afirma a dermatologista Cláudia Maia, coordenadora da Campanha Nacional de Conscientização da Psoríase da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Outra recomendação é evitar produtos com ureia, que podem causar ardência nas regiões mais sensíveis ou em processo de cicatrização. Aproveite o pós-banho para fazer a hidratação principal.
Esfoliação
“A esfoliação é contraindicada para pacientes que sofrem de psoríase”, afirma a dermatologista Márcia Purceli, especialista em dermatologia pela UNIFESP. Segundo a especialista, o procedimento pode causar rompimento da pele, desencadeando uma nova crise. Este é o chamado fenômeno de koebner, em que um trauma em alguma região saudável da pele leva ao surgimento de lesões que existiam em outras partes do corpo. O mesmo acontece em portadores do vitiligo.
Sol
Tomar sol não só é permitido como é recomendado para pacientes com psoríase. Mas, claro, alguns cuidados. O primeiro deles em relação ao horário de exposição. “Aproveite o calorzinho do sol até as 10h ou após as 16h”, afirma a dermatologista Márcia. Outro cuidado é a duração da exposição. “Cerca de 10 minutos já são suficientes para aproveitar o efeito anti-inflamatório dos raios solares”, complementa. O filtro solar pode ser usado apenas nas lesões de longa duração e, após o banho de sol, recomenda-se o uso de um hidratante.
Depilação
De acordo com a dermatologista Cláudia, homens podem fazer a barba com lâmina normalmente, tomando cuidado apenas com traumas que possam provocar lesões. A depilação, por sua vez, requer ainda mais atenção. “O paciente deve optar pelo método que traumatizar menos a pele”, explica. Se ele tem alergia à lâmina, por exemplo, deve evitar o uso. Se tem alergia à cera, por outro lado, recomenda-se tentar a lâmina. Entretanto, se a área estiver muito inflamada, o ideal é tratar a pele antes de realizar qualquer procedimento para evitar o agravamento do quadro.
Banho
“O banho do paciente com psoríase deve ser rápido, morno e sem o uso de buchas”, afirma a dermatologista Márcia. Quanto ao sabonete, prefira as versões neutras e glicerinadas. Por fim, seque a pele com uma toalha macia sem esfregar e tome cuidado especial com as regiões lesionadas.
Cosméticos
“Antes de realizar qualquer procedimento estético, consulte seu dermatologista”, recomenda a especialista Cláudia. Segundo ela, a maior parte dos produtos pode ser usada em regiões livres de lesões. Nas áreas com traumas, entretanto, é preciso tomar cuidado para que substâncias presentes nas composições não agravem o quadro.
Roupas
Opte sempre pelo conforto. “Roupas muito justas ou que não são de algodão podem impedir que a pele transpire normalmente, favorecendo a proliferação de fungos”, aponta a dermatologista Márcia. Assim, prefira peças que permitam ventilação e não limitem seus movimentos.
Tatuagem e piercing
“Como a psoríase é uma doença caracterizada pelo fenômeno de koebner, o paciente deve estar ciente de que traumas causados por uma tatuagem ou um piercing podem desencadear o aparecimento de lesões”, afirma a dermatologista Renata. Se você for arriscar, vale saber que está correndo o risco de surgir uma lesão crônica no local. De acordo com a especialista ainda, procedimentos para eliminar tatuagens também favorecem lesões.


Simulador de Plano Individual